Criar ao Ar Livre

O projeto Criar ao Livre é um projeto-piloto multidisciplinar dirigido aos alunos e docentes do 8.º ano do 3.º ciclo do Ensino Básico das escolas dos concelhos abrangidos pela Reserva Natural do Estuário do Sado: Setúbal, Palmela, Grândola e Alcácer do Sal. 

É um projeto de educação artística e ambiental, que pretende criar um lugar para cada um dos participantes no meio da Natureza, em harmonia com a fauna e flora da península de Tróia.

O projeto foi delineado de acordo com as seguintes ideias estruturantes que traduzem o seu horizonte de ambição:

  • Fortalecer a relação com as comunidades e o território.
  • Aumentar o acesso de alunos e das suas famílias a um património natural e cultural único, contribuindo para a diminuição das desigualdades económicas, sociais e culturais.
  • Contribuir para um enriquecimento da comunidade escolar, através de experiências e conteúdos que têm relação direta com o currículo e as metas escolares.
  • Corresponder às competências do perfil do aluno do século XXI, através de experiências, atividades e conteúdos diversificados.
  • Contribuir para a execução da Agenda 2030 e dos seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, através de uma estratégia integrada, com objetivos definidos e indicadores claros.

O projeto reconhece o papel transformador da educação para o exercício de uma verdadeira Cidadania Global, destacando a sua ligação a 9 dos mais importantes Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável. Através de processos criativos, contribui-se para a construção de uma consciência cívica e ambiental, e faz-se a pedagogia do respeito pelo outro, pelo mundo natural e pelo património histórico e cultural coletivo.

No 8.º ano de escolaridade abordam-se aspetos relacionados com as condições necessárias para a existência de vida na Terra, exploram-se as dinâmicas entre os subsistemas terrestres, permitindo uma interpretação científica plural e inacabada da evolução da vida no planeta e um reconhecimento da importância dos saberes científicos na promoção da sustentabilidade do planeta Terra.

Por outro lado, procura-se que os alunos tomem consciência do impacto da intervenção humana na Terra e da necessidade de adoção de comportamentos de cidadania ativa e justa, coerentes com um desenvolvimento sustentável.

Neste contexto, o projeto decorreu durante o ano letivo 2022/2023 em torno de quatro eixos fundamentais:

  1. Apresentação Criar ao Ar Livre: um encontro destinado aos docentes envolvidos no projeto para apresentação do plano de atividades e partilha de informação.
  2. Oficina na escola: atividade desenvolvida em espaço escolar. O seu ponto de partida foi a riqueza do ecossistema da Reserva Natural do Estuário do Sado e do seu património natural (e histórico) e a metodologia utilizada foi o jogo enquanto ferramenta pedagógica, quer na transmissão de conteúdos de forma eficaz e divertida, quer para a promoção da coesão entre pares. Neste sentido, foi criado o jogo de tabuleiro gigante “Quem come o quê?”, que tem por base as teias tróficas do estuário do Sado. 
  3. (re)Criar ao Ar Livre: atividade que aliou a observação da natureza, a educação ambiental e um projeto artístico coletivo, tendo como ponto de partida o Caderno de Explorador recebido na oficina na escola e a Maleta de Curiosidades.
  4. Formação de docentes. Sessão de formação online, focada na utilização do jogo como ferramenta pedagógica e criativa.

Como forma de alavancar as atividades delineadas, foram criados dois tipos de materiais de apoio: 

  1. Caderno de Explorador, um diário de campo direcionado para o conhecimento do Estuário do Sado e a sua exploração de forma individual ou em conjunto, e em diferentes perspetivas: científica, artística e empírica.
  2. Maleta de Curiosidades, um recurso educativo com o objetivo de suscitar a curiosidade e o interesse dos alunos pela biodiversidade do Estuário do Sado, através da exploração e manuseamento de 32 espécies de fauna e flora.

O projeto-piloto abrangeu 13 escolas e cerca de 325 alunos.